Surdo ou surdo-mudo? Língua ou linguagem?

O bê-a-bá do tratamento aos Surdos

No mês que passou, começamos nosso curso de LIBRAS para todos os que têm interesse em aprender a se comunicar com os surdos e agradecemos à igreja pela quantidade de inscrições. Então gostaríamos de aproveitar para esclarecer a todos algumas dúvidas que muitos têm em relação aos surdos e ao trato com eles. O texto deste mês de páscoa, em que relembramos a total entrega de Cristo, é para nós, chamados ouvintes. Temos, a seguir, algumas dicas importantes:

Primeiro: não chame nenhum deles de “surdo-mudo”. Embora eles não te ouçam, isso pode até ofender se chegar ao conhecimento deles. Surdo-mudo é provavelmente a mais antiga e incorreta denominação atribuída ao surdo. A mudez é outra deficiência, e não tem conexão com a surdez. O termo correto é Surdo ou, dependendo do grau, deficiente auditivo.

Segundo: LIBRAS é Língua Brasileira de Sinais e não linguagem brasileira de sinais. Desde 2002, LIBRAS é reconhecida como a segunda língua oficial do Brasil e possui construção própria e suas próprias complexidades e variedades linguísticas. Chamar de linguagem é um equívoco comum, mas acaba depreciando uma língua que todos deveríamos buscar.

Terceiro: o português não é primeira língua de quase nenhum surdo, pelo menos não da grande maioria que nasceu surda ou perdeu a audição ainda bem jovem. Logo, a comunicação só através do português, mesmo o escrito, não é a melhor forma de comunicação. Mesmo legendas, em vídeos, podem ser rápidas demais ou com detalhes demais para que o surdo entenda. Essa legenda seria para eles como uma legenda em inglês de um filme mudo para nós. Alguns conseguem ler, mas a maioria não vai acompanhar todo o contexto.

A coisa mais importante que precisamos aprender, no entanto, é que o surdo entende o aceno de mão, o sorriso, o abraço, talvez até mais do que nós, chamados ouvintes, e você e eu podemos e devemos nos comunicar com ele dessa forma. Afinal, todos iremos para o mesmo Céu, adoramos o mesmo Deus e somos uma só igreja e noiva de Cristo Jesus, nosso Senhor, do qual devemos lembrar agora e em todo tempo, seguindo Seu exemplo de entrega e abnegação. Graça e Paz!

 

Flávio Rogério Fernandes Júnior

Topo