MYANMAR

Carlos e Liliana - FEVEREIRO/2017

Queridos irmãos,

Foram muitos acontecimentos desde novembro de 2016 até este início de ano que nem percebemos o tempo passar tão rápido.

Description: carta_fev 2017-01.jpgO ano passado foi de intenso trabalho para atender os refugiados. Estivemos na Grécia por um ano e três meses, em três diferentes ilhas, e também ao norte, na fronteira com a Macedônia e em Atenas. Pela graça de nosso Deus pudemos contribuir coma as equipes que li estiveram e que ainda permanecem, nesse  momento da história onde tanto mal tem ocorrido, mas onde Deus, tem possibilitado oportunidades únicas para o avanço de seu Reino em muitos corações. Estivemos apoiando muitas pessoas, para que seu sofrimento fosse menor e sua esperança fosse maior, cremos que haverá frutos, e alguns já pudemos ver. Muitas vezes estivemos parados, diante dos conflitos, dos impedimentos legais, das burocracias da ação humanitária tão complexa, atuando com o apoio do Alto comissariado das Nações Unidas (ACNUR ou UNHCR). Em diversos momentos nesse ano e pouco que estive ali, pude presenciar momentos onde oficiais da ONU solicitavam apoio da nossa ONG, e o argumento era simples; vocês estão presentes, respondem rápido e não desistem. Uma vez, em uma reunião, o representante de uma ONG solicitava apoio da nossa ONG, e o argumento era simples; vocês estão presentes, respondem rápido e não desistem. Uma vez em uma reunião o representante de uma ONG não cristã perguntou publicamente, qual era o tipo de treinamento que dávamos as nossas equipes, pois via a diferença do agir delas, em todos os níveis, fossem socorristas, fossem técnicos, etc.  Às vezes a gente não imagina o impacto que causamos quando trabalhamos com amor e respeito, às vezes trabalhamos no nosso limite, mas sabemos que tudo que fazemos é para o Senhor e para ajudar vidas tão preciosas.

Ali pudemos sorrir e abraçar a muitos fugitivos do terror e da miséria, orar por alguns que perderam todos membros da família em naufrágios, pudemos construir banheiros, instalar aquecedores, plantar árvores, fornecer latas de lixo, cobertores no frio e sombra no calor. Petecas para as meninas adolescentes Yazidis para que pudessem brincar um pouco, construir um playground para as crianças e testemunhar muitas vezes sem PALAVRAS. Muitas vezes choramos também diante das esperas, de conflitos internos e externos e da nossa impotência em fazer mais para ajudar.

No final de novembro uma oportunidade de voltar a Ásia nos foi apresentada, e mais uma vez fomos buscar os conselhos e direção do Senhor que foi confirmando cada passo e aceitamos o desafio de seguir para Myanmar. Em janeiro Liliana foi ao Brasil para férias e tratamento de saúde e eu segui direto para o Myanmar no início de fevereiro. Aqui estaremos atuando em coordenação com igrejas locais, na assistência de comunidades extremamente carentes na região do delta. Novamente em um país budista. Deus nos trouxe aos três mais remitentes países budistas do mundo, sendo o Myanmar o mais devoto deles, onde há perseguição de cristãos. A expansão do evangelho na Ásia tem sido um desafio de décadas para a igreja, no alcance dos povos budistas. Desde o ano passado, quando houveram as primeiras eleições no país, tem havido uma tremenda abertura para o ocidente, e principalmente para o evangelho.

Description: Foto Asia.jpgNossa filha Tais já estava aqui desde outubro, quando veio para ajudar em um projeto de combate ao tráfico humano. Liliana chegará no dia 18 de março.

 

 

 

Gratidão

A nossa gratidão, louvor e adoração ao nosso Deus pelo ano que passou e pelas oportunidades que nos deu de o servimos e testificarmos nos campos de refugiados.

Pelo novo desafio e oportunidade de entrarmos em mais um país para servimos.

Pela formatura em Enfermagem da nossa filha Larissa e pelo desejo que ela tem de servir ao Senhor através da sua profissão.

Por nossa amada Igreja Batista do Povo que tem caminhado conosco e mostrado o seu carinho.

Aos que tem intercedido por nós.

Orem conosco

Por direção e estratégia do Senhor no início dos projetos, pela escolha de pessoas locais que irão compor a nossa equipe que deverão ser cristãos comprometidos, pois estaremos em contato com aproximadamente 8.000 pessoas nas vilas.

- Por saúde e proteção

- Por nossas filhas, para que Deus esteja conduzindo em suas decisões de vida.

-Pelo povo de Myanmar, para que cessem as guerras e os conflitos tribais e venham conhecer a esperança e a verdadeira paz que é o Senhor Jesus.

 

Carlos e Liliana

 

Topo