Princípios Batistas

I – A Autoridade:

 

1. Cristo como Senhor 

A suprema fonte de autoridade é o Senhor Jesus Cristo, toda esfera da vida está sujeita à Sua Soberania.

 

2. As Escrituras

A Bíblia como revelação inspirada da vontade divina, cumprida e completada na vida e nos ensinamentos de Jesus Cristo, é nossa regra autorizada de fé e prática.

 

3. O Espírito Santo

O Espírito Santo é o próprio Deus revelando Sua Pessoa e vontade aos homens. Ele, portanto, interpreta e confirma a voz da autoridade divina.

 


 

II – O Indivíduo

 

1.    Seu Valor

Cada indivíduo foi criado à imagem de Deus e, portanto, merece respeito e consideração como uma pessoa de valor e dignidade infinita.

 

2.    Sua Competência 

Cada pessoa é competente e responsável perante Deus, nas próprias decisões e questões morais e religiosas.

 

3.    Sua Liberdade

Cada pessoa é livre perante Deus em todas as questões de consciência e tem o direito de abraçar ou rejeitar a religião, bem como de testemunhar sua fé religiosa, respeitando os direitos dos outros.

 


 

III – A VIDA CRISTÃ

 

1.    A Salvação Pela Graça

A salvação é dádiva de Deus através de Jesus Cristo, condicionada, apenas, pela fé em Cristo e rendição à soberania divina.

 

2.    As Exigências do Discipulado

As exigências do discipulado cristão, baseadas no reconhecimento da soberania de Cristo, relacionam-se com a vida em um todo e exigem obediência e devoção completa.

 

3.    O Sacerdócio do Crente

Cada cristão, tendo acesso direto a Deus através de Cristo, é seu próprio sacerdote e tem a obrigação de servir de sacerdote de Cristo em benefício de outras pessoas.

 

4.    O Cristão e Seu Lar

O lar é básico, no propósito de Deus para o bem-estar da humanidade, e o desenvolvimento da família deve ser de supremo interesse para todos os cristãos.

 

5.    O Cristão Como Cidadão 

O cristão é cidadão de dois mundos – o reino de Deus e o Estado – e deve ser obediente à lei de seu país, tanto quanto à lei suprema de Deus.

 


 

IV – A IGREJA

 

1. Sua Natureza

A igreja, no sentido lato, é a comunidade fraterna de pessoas redimidas por Cristo e tornadas uma só na família de Deus. A igreja, no sentido local, é a companhia fraterna de crentes batizados, voluntariamente unidos para o culto, desenvolvimento espiritual e serviço.

 

2. Seus Membros

Ser membro de igreja é um privilégio, dado exclusivamente a pessoas regeneradas que voluntariamente aceitam o batismo e se entregam ao discipulado fiel, segundo o preceito cristão.

 

3. Suas Ordenanças

O Batismo e Ceia do Senhor, as duas ordenanças da igreja, são símbolos da redenção, mas sua observância envolve realidades espirituais na experiência cristã.

 

4. Seu Governo

Uma igreja é um corpo autônomo, sujeito unicamente a Cristo, sua cabeça. Seu governo democrático, no sentido próprio, reflete a igualdade e responsabilidade de todos os crentes, sob a autoridade de Cristo.

 

5. Sua Relação Para com o Estado

A igreja e o Estado são constituídos por Deus e perante ele responsáveis. Devem permanecer distintos, mas tem a obrigação do reconhecimento e reforços mútuos, no propósito de cumprir-se a função divina.

 

6. Sua Relação Para com o Mundo

A igreja tem uma posição de responsabilidade no mundo; sua missão é para com o mundo; mas seu caráter de ministérios são espirituais.

 


 

V – NOSSA TAREFA CONTÍNUA

 

1. A Centralidade do Indivíduo

De consideração primordial na vida e trabalho de nossas igrejas é o indivíduo com seu valor, suas necessidades, sua liberdade moral, seu potencial perante Cristo.

 

2. Culto

O culto – que envolve uma experiência e comunhão com o Deus vivo e santo – exige uma apreciação maior sobre a reverência e a ordem no culto, a confissão e a humildade, a consciência da santidade, majestade, graça e propósito de Deus.

 

3. O Ministério Cristão

Cada cristão tem o dever de ministrar ou servir com abnegação completa; Deus, porém, na Sua sabedoria, chama várias pessoas de um modo singular para dedicarem a sua vida, de tempo integral, ao ministério relacionado com a obra da igreja.

 

4. Evangelismo

O evangelismo, que é básico no ministério da igreja e na vocação do crente, é a proclamação do juízo e da graça de Deus em Jesus Cristo e a chamada para aceita-Lo como salvador e segui-Lo como Senhor.

 

5. Missões

As missões procuram a extensão do propósito redentor de Deus em toda parte, através do evangelismo, da educação e do serviço cristão e exigem de nós dedicação máxima.

 

6. Mordomia:

A mordomia cristã concebe toda a vida como um encargo sagrado, confiado por Deus, e exige o emprego responsável de vida, tempo, talentos e bens – pessoal ou coletivamente – no serviço de Cristo.

 

7. O Ensino e Treinamento

A natureza da fé e experiência cristãs e a natureza e necessidade das pessoas fazem do ensino e treinamento um imperativo.

 

8. Educação Cristã

A educação cristã emerge da relação da fé e da razão e exige excelência e liberdade acadêmicas que são tanto reais quanto responsáveis.

 

9. A Autocrítica

Todo grupo de cristãos, para conservar sua produtividade, terá que aceitar a responsabilidade da autocrítica construtiva.

 

Topo