Palavra Viva

Ver o invisível resulta em conquista

 

Se queremos participar eficazmente daquilo que Deus fez, está fazendo e fará, não basta enxergarmos apenas com olhos naturais. Precisamos aprender a enxergar com olhos espirituais. O que vemos e o modo como enxergamos determinarão nossas ações.

Os caminhos de Deus, por serem mais altos do que os nossos, nem sempre, fazem sentido para nós Deus é soberano sobre tudo. Ele age como lhe agrada e os seus planos não podem ser frustrados. Precisamos ver com olhos espirituais.

Leia mais:Ver o invisível resulta em conquista

Contagiando as pessoas a viverem para a Glória do Senhor

 

Fomos escolhidos por Deus, não apenas para gozar da vida eterna, mas também para desfrutarmos de uma vida das bem-aventuranças aqui, na Terra.

Deus espera dos salvos, que cumpram Seus mandamentos, tenham uma vida reta e íntegra diante dele e dos homens: “viver de maneira que possamos contagiar outras pessoas com o estilo de vida em que vivemos e porque vivemos dessa maneira”.

Muitos líderes têm-se valido de meios para contagiar vidas, mas são meios que realmente não têm apoio na Bíblia.

Os meios mais comuns são baseados em promessas: “Toma lá, dá cá”. “Se você der a Deus ($$$, via igreja), Deus lhe retribuirá a confiança e fé com muitas bênçãos na sua vida”. Muitos aderem a essas promessas, hábitos adquiridos pelo apelo que jogos de azares promovem aos seus apostadores.

Outros líderes têm usado o nome de Jesus para curar enfermos e libertar os oprimidos, porém são pessoas que acabam vindo para a igreja, mas não permanecem, porque sua casa não foi fundada na rocha que é Cristo, não sabem do valor e poder da cruz do Calvário. Por isso, muitos passaram por igrejas e hoje estão fora.

 Reconhecemos que devemos usar o nome de Jesus para curar e libertar as pessoas, foi nos dado o direito de usar esse nome poderoso, mas não devemos ficar apenas nisso. Porque as pessoas, além de experimentar o poder do Senhor, devem conhecer e andar com esse Senhor poderoso.

A Bíblia aponta formas para contagiarmos as pessoas, usando meios saudáveis com apoio bíblico.

1º- simpatia do povo: viver como viviam os irmãos da igreja primitiva: o verdadeiro evangelho, em orações constantes, tendo temor a Deus, em verdadeira comunhão e sendo caridosos (Atos 2.42-47).

2º- comprometimento com o Senhor da glória: cada membro deve estar comprometido com o Senhor da Igreja e com a Igreja do Senhor. Vivendo para a glória de Deus.

3º”- cheio da graça e verdade: Sermos simpáticos, falando e vivendo a verdade, foi assim que João escreveu a respeito de Jesus: E o Verbo se fez carne e habitou entre nós cheio de graça e de verdade” (João 1.14a).

4º- unidade da fé: precisamos ser unânimes em nossa caminhada cristã (Efésios 4.1-6), sendo cooperadores, de acordo com p propósito de Deus para cada um de nós.

Se vivermos esses ensinamentos bíblicos, contagiaremos outras pessoas, que terão oportunidade de viver uma vida constante na presença de Deus.

 

Pr. Osmar Bento

Qual é a sua responsabilidade em nossa sociedade?

 

 

Nestes últimos anos, acompanhamos um grande crescimento em tecnologias, informática, ciências e muito mais, porém, o ser humano continua regredindo e cada vez mais egoísta, pensando somente em suas necessidades e querendo fazer o mundo girar em seu favor. Contudo, muitos princípios, padrões e conceitos têm sido deixados de lado, e a nova geração que está surgindo não encontra facilmente um referencial para se espelhar, pois até mesmo dentro de suas próprias casas, convivem com pais que só têm tempo para o trabalho e futebol, mães que não respeitam a autoridade do pai, e irmãos que tomam suas próprias decisões e fazem o que querem, quando querem e como querem.

Mediante este cenário, precisamos fazer algo, pensando no futuro dos nossos filhos e netos, pois a responsabilidade de um futuro melhor é nossa, precisamos, hoje, dar um excelente exemplo dentro de casa, na vizinhança, no trabalho e em todo lugar, semeando bons frutos e influenciando pessoas a fazerem o mesmo.

Sendo assim, todo ser humano tem sua parcela de responsabilidade, principalmente, todos aqueles que verdadeiramente conhecem e seguem a Palavra de Deus.

Quão bom seria se todos entendessem o valor de ajudar ao próximo e renunciar a suas próprias vontades em favor da pessoa que está ao seu lado; se todos fizessem isso, o mundo seria bem melhor, todos em busca de agradar o seu próximo.

 

Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.

Atos 20.35

 

Pr. Oliver Rodrigues

 

Deus se importa comigo?

 

Esta é uma pergunta para a qual nem todos têm a mesma resposta, ou seja, pensando igualmente a respeito de Deus.

Para muitos que são céticos, descrentes, insensatos, a resposta é “não”, porque não creem na existência de Deus.

Os que creem na existência do Deus a que a Bíblia faz referência têm dificuldade de aceitar a interferência, a interação de Deus nas suas vidas, pelas seguintes razões:

1-     O mundo conturbado em que vivemos: violência, desamor, egoísmo etc.

2-     Os sofrimentos: com enfermidades, fomes, mortes pré-maturas, catástrofes etc.

3-     O avanço das ciências e da Física que põe em dúvida a veracidade da Bíblia e da existência de Deus etc.

Os que têm essa resposta negativa a respeito do interesse de Deus por nossas vidas precisam ser convencidos de que, realmente, Deus se importa em relacionar individualmente e pessoalmente conosco.

- A Bíblia, apesar de ter sido escrita por vários homens, foi inspirada por Deus, e nela há diretrizes e respostas para levar-nos ao conhecimento da existência de Deus e de sua vontade para conosco.

A maior prova disto, foi o envio de seu único Filho Jesus Cristo, para cumprir a Lei dada aos homens, pois estes não foram capazes de cumprir. Jesus deu-nos a vitória, através de Seu sangue derramado na cruz, para purificação de nossos pecados, e o direito de termos a vida eterna.

Apesar de sua luta, de seu sofrimento, dos problemas que podem estar presentes na sua vida, Deus se importa com você “sim”.

Jesus profetizou, em Mateus 24, que viriam sobre nós dores, tribulações nos finais dos tempos. Antes de sua volta ao céu nos preveniu de que passaríamos por aflições: “No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo” (João 16.33).

Esta pergunta que fizemos, “Deus se importa comigo?”, fizeram-na duas vezes para Jesus, em duas ocasiões distintas:

Jesus estava em um barco com seus discípulos e veio uma grande tempestade, Jesus estava dormindo, seus discípulos despertaram-nO dizendo: “Mestre, não te importas que pereçamos?” (Marcos 4.38); e a outra ocorreu quando Maria estava aos pés de Jesus ouvindo-O, veio sua irmã, Marta, até Jesus e disse-Lhe: “Senhor, não te importas de que minha irmã tenha deixado que eu fique a servir sozinha?” (Lucas 10. 40).

Nas duas ocasiões, porém, as respostas de Jesus foram amáveis, demonstrado o seu cuidado, sua amizade e seu amor.

Diante do que a Bíblia ensina, sabemos que Deus se importa, sim, conosco.

Deus é maior do que nossa incredulidade, maior do que nossos problemas e sofrimentos. Confiemos nEle e encontraremos descanso para nossas almas.

 

Pr. Osmar Bento

 

Jesus Cristo - O poderoso e soberano Juiz

 

Abraão, ao dirigir-se ao Deus Pai sobre a destruição de Sodoma e Gomorra, chamou-o de “Juiz de toda a terra”. Todo Antigo Testamento enfatiza a justiça de Deus-Jeová.

Na nova dispensação (Novo Testamento), Jesus se declara a si mesmo, Juiz Soberano, conforme registra João em seu Evangelho: “O Pai a ninguém julga, mas ao Filho confiou todo julgamento(juízo), a fim de que todos honrem o Filho, como honram ao Pai...Quem ouve as minhas palavras e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, não entrará em juízo, mas passou da morte para a vida” (João 5.22-24).

Jesus é o único juiz credenciado por Deus-Pai para julgar este mundo.

O julgamento das igrejas:

As sete cartas às igrejas mostram que tipo de julgamento Jesus está operando em cada uma:

“Porque a hora de começar o juízo pela casa de é chegada” ( I Pedro 4.17)

Portanto, o julgamento das igrejas só faz sentido, enquanto elas existirem (existiram) como tais. Enquanto realizaram ou realizam as obras de Deus.

O julgamento das igrejas está registrado nos capítulos 2 e 3 de Apocalipse. Segundo alguns estudiosos e teólogos, a igreja de nossos dias faz parte da “igreja de Laodiceia”, portanto, devemos conhecer bem o que Jesus requer da igreja.

A corte celestial:

Para o julgamento das igrejas, realizado pelo Senhor Jesus Cristo, o livro de Apocalipse descreve a criação de um tribunal pomposo, composto de muitos elementos, para julgar a humanidade.

Neste tribunal, Jesus surge como figura principal:

“Foi digno de tomar o livro que estava na mão direita de Deus e abrir-lhe os sete selos”. (Apocalipse 5.9).

Essa parte do julgamento estende-se do capítulo seis ao nove. A abertura dos seis primeiros selos está registrada no capítulo sexto.

No capítulo sete, há uma pausa na qual se mostram os cento e quarenta e quatro mil de Israel e dos glorificados (igreja), que estão prestando adoração e exaltação ao Deus Pai e ao Deus Filho (como Cordeiro de Deus).

Os capítulos oito e nove registram a abertura do sétimo selo, quando aparecem os anjos tocando as seis trombetas e, a cada uma delas, havia os cataclismos e catástrofes sobrenaturais da ira de Deus sobre os homens na terra.

O julgamento do reino maligno:

O dragão, o falso profeta, a besta, a prostituta vestida de escarlata e a Babilônia passaram pelo julgamento do tribunal, conforme registra Apocalipse, do capítulo doze ao dezenove.

O capítulo dezenove traz também a visão da Igreja de Jesus Cristo arrebatada, na presença do Senhor, participando das “bodas do cordeiro”. Depois relata a vinda triunfal de Cristo com seus exércitos, ocasião em que tal reino maligno será totalmente destruído.

O capítulo vinte descreve a luta de Jesus com o anticristo (satanás - príncipe deste mundo), no “Armagedom”, cumprindo o que Jesus disse em (João 16.11), “o príncipe deste mundo já está julgado”, e será preso por mil anos. Depois será solto para seduzir as nações nos quatro cantos da terra, “Gogue e Magogue” e, por fim, será lançado no lago de fogo e enxofre, onde já se encontram a besta e o falso profeta (Apocalipse 20.8-10).

O juízo de Jesus no grande trono branco:

E, por fim, Jesus estará no grande trono branco para julgar a todos, grandes e pequenos, de acordo com o “Livro da Vida”, mediante suas obras, e aquele que não foi achado inscrito no Livro da Vida, esse foi lançado para dentro do lago de fogo. (Apocalipse  20.11-15).

Portanto, aqueles que já aceitaram a Jesus Cristo como seu único Salvador e Senhor de verdade, têm seus nomes inscritos no Livro da Vida e não serão lançados dentro do lago de fogo. Porque fizeram isso durante suas vidas e para os que agiram assim, a Bíblia diz que “nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8.1). Jesus disse: “quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado” (João 3.18).

Por isso devemos falar para as pessoas que Jesus é Salvador, mas também é o Poderoso e Soberano juiz.

 

Pr. Osmar Bento

 

Mais artigos...

Topo