Intercessão

O mistério da oração na vida do crente

Ser discípulo de Jesus não significa freqüentar uma igreja, ter hábitos religiosos, exercer funções na igreja, praticar os dons ministeriais e espirituais etc. Ser discípulo significa principalmente conhecer a Deus.” A vida eterna é está: que te conheçam a ti, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”.(João 17:3).

Conhecer é manter uma relação pessoal.

Deus é uma pessoa, não uma força cósmica, não um ser disforme, uma energia positiva, nem uma entidade que se materializa para satisfazer a necessidade humana. Deus é personalidade perfeita!

O propósito divino, desde a eternidade, foi criar um ser á sua imagem e semelhança para manter permanente relacionamento com ele.E isso acontece através da oração relacional, que é um interpessoal , a comunicação entre homem e Deus.

A oração não é uma elaboração limitada á mente humana; também não é mera verbalização das necessidades humanas, nem repetição de palavras, por isso não é reza.A oração tem princípios que devem ser considerados:

1- Oração no espírito

“Orar no Espírito é depender da ajuda do Espírito Santo, para pedirmos conforme a vontade de Deus.” E esta é a confiança que temos para com ele: que, se pedirmos alguma coisa segunda a sua vontade, ele nos ouve “.(l João 5:14)“Também o Espírito, semelhantemente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira, com gemidos inexprimíveis”. (Romanos 8:26).Orar no Espírito é orar á vontade de Deus, é orar segundo Deus.

2- Oração com sensibilidade

É sentir á necessidade das pessoas, orar com compaixão, com amor, como fazia o nosso senhor Jesus Cristo ( Lucas 19:41-44).A Bíblia recomenda: ”Levai a carga uns dos outros e, assim, cumprireis a lei de Cristo” (Gálatas 6:2).

3- Oração com fé operosa

O intercessor deve ser uma pessoa de fé, a fé torna eficaz a oração e deve precedê-la.A fé reivindica a promessa divina e certifica-se da resposta.É a fé que faz a oração se movimentar em direção ás promessas.“Tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis”. (Mateus 21:22).

4- Perseverança

Devemos ser perseverantes em nossas orações, a falta de perseverança pode impedir a vitória completa.Perseverar é saber aguardar o tempo de Deus, Jesus ensinou a persistência na oração contando duas parábolas:- amigo importuno (Lc.11:5-8)- o juiz iníquo (Lc.18:1-8).Os heróis da fé tiveram bom testemunho porque eram perseverantes (Hebr. 11:39).J.Blanchard escreveu: “A espera da resposta a uma oração, muitas vezes faz parte da resposta”.

5- A quem deve ser dirigida a oração. Jesus ensinou que nossa oração deve ser dirigida a Pessoa de Deus Pai em seu nome.

-A oração eficaz envolve o Deus-trino.
-O Pai ouve e depois responde;
-Jesus nosso sumo-sacerdote, ajuda-nos diante do Pai;
-O Espírito filtra, guia nossas orações intercede com gemidos inexprimíveis.

Portanto oremos com responsabilidade, sinceridade, porque a oração é um meio maravilhoso colocado pelo nosso Deus, para cumprirmos seus propósitos.
A oração é a linguagem da fé, do espírito e através dela poderemos ter a essência do caráter de Cristo.
A oração prova a si mesma, se alguém quer conhecer as suas virtudes, ore observando seus princípios.

Estamos vivendo em tempos difíceis com o avanço do secularismo, racionalismo, esoterismo, satanismo etc.
Precisamos que o Espírito Santo nos conduza á prática da oração.
Charles Spurgeon escreveu: ”A oração é uma arte que só o Espírito Santo pode nos ensinar”.
Martinho Lutero escreveu:” A oração é o suor da alma”.
Vicente de Paulo: “A oração é a alma das nossas almas. O que a alma é para o corpo é a oração para a alma”.

 

Tipos de oração:

  • Ação de graças

São orações que levamos diante de Deus, agradecendo-o por ter recebido uma vitória, um livramento etc.Esse tipo de oração deveria fazer todas as manhãs quando acordamos, parque são inúmeros os motivos para render ações de graças ao Senhor, mas temos negligenciado.

Exemplos:

- Zacarias - ”Bendito o Senhor, Deus de Israel, porque visitou e remiu o seu povo”! E nos levantou uma salvação poderosa na casa de Davi, seu servo “(Lc. 1:68-69).

- Paulo - “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos a bençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Efésios 1:3).

  • A súplica

É a oração intensa, é um clamor desesperado numa determinada situação. O suplicante sabe que nenhum outro pode interferir para ajudá-lo a não ser Deus.

Exemplos:

- Neemias, quando soube da destruição do muro de Jerusalém e da situação de miséria que vivia os que não foram levados ao cativeiro (Neemias 1:2-11);

- Ezequias (II Reis 19:14-19);

- Daniel (9:3-19);

- O cego de Jericó -A ressurreição da filha de Jairo (Lc. 8:40-42).

  • Intercessória

Quando você comparece diante de Deus por uma pessoa necessitada. Como o Senhor Jesus que atua como Sumo-Sacerdote que fica entre Deus e o homem para fazer a expiação pelo pecado. Na oração intercessória, o intercessor fica entre Deus e o necessitado, com um coração sensível cheio de amor, compaixão, assumindo o sofrimento, a dor, a aflição em que está o necessitado.

Exemplo:

A oração sacerdotal de Jesus (João 17). O intercessor coloca os ombros de baixo da carga e derrama sua alma diante de Deus pedindo socorro e ajuda.

Estamos precisando de crentes intercessores, que realmente praticam as orações intercessórias, são poucos os que têm a sensibilidade das necessidades do Reino, da igreja e do mundo.

Que vivamos uma vida intensa de oração, aprofundando através dela nossa intimidade com Deus e contribuindo com o bem estar do nosso próximo, de nossa família, de nossa nação e da igreja do Senhor em toda a Terra.  

 

Pr. Osmar Ferreira Bento

Topo