Testemunho - "Como fui liberto do cigarro"

Como fui liberto do cigarro - Eduardo Marinho

Eu fumei, pelo menos, um maço de cigarros por dia durante 20 anos seguidos. Isso equivale a, aproximadamente, 1.500.000 (um milhão e meio) de cigarros. Posso dizer que gastei bastante dinheiro danificando minha saúde. Eu era escravo do vício de fumar. 

As campanhas de conscientização sobre os males causados pelo fumo e os pedidos de meus familiares não me convenciam a parar de fumar. Embora eu tivesse consciência de que estava fazendo um mal terrível a minha saúde, eu não conseguia parar de fumar e sentia falta só de pensar em ficar sem cigarros. Eu era escravo do cigarro. 

Por diversas vezes eu saí de casa durante a madrugada para comprar cigarros. Eu fumava mesmo quando estava gripado ou adoentado. Minha primeira atitude quando eu acordava era ir para a varanda e acender o primeiro cigarro do dia. O cigarro era minha sobremesa após o café da manhã, almoço e jantar. Sem falar os “cafezinhos” durante o dia. 

Depois de bastante tempo fumando eu comecei a ter vontade de parar, mas não conseguia. Eu tinha raiva de fumar, ficar com aquele cheiro de nicotina no corpo, na roupa, no carro. Mas eu não parava. Eu estava completamente escravizado e dependente.

 

Numa bela noite de sábado, por volta da 21 horas, minha filha de cinco anos me pediu para eu parar de fumar. Lembro-me que eu tinha dois cigarros na carteira. Eu disse para ela: - Filha, estes são os últimos cigarros que eu vou fumar na minha vida. Eu estava decidido!

Fui até a varanda, fechei a porta, acendi um cigarro e fumei lentamente. Depois disso refleti sobre todo o mal que estava gerando a minha saúde, e sobre todo prejuízo emocional e financeiro que o cigarro me causava. Assumi perante Deus a minha incapacidade de parar de fumar com minhas próprias forças, mesmo eu querendo. Foi quando eu olhei para o céu e pedi: - SENHOR Jesus me ajuda. Eu não sou capaz de conseguir sozinho. Dá-me forças para que eu possa suportar as crises de abstinência e parar de fumar. Eu não quero ser escravo desse vício. 

Durante a madrugada eu tive um sonho. Neste sonho eu via quatro placas, pretas e paralelas umas as outras. Conforme estas placas eram removidas eu tossia compulsivamente. Minhas tosses eram tão fortes que eu não tinha certeza se realmente estava sonhando ou se estava tendo uma visão. Também me levou a refletir sobre todo o tempo que levei fumaça para dentro de meus pulmões. E isso aconteceu até que todas as placas fossem removidas. 

Amanheceu o dia e a vida seguiu normalmente com uma única diferença: não fumei e nem tive vontade de fumar o famoso cigarro matinal (Isso costumava acontecer nos primeiros cinco minutos após eu sair da cama), fomos à igreja e fiquei até o final do culto sem sair para fumar do lado de fora, almoçamos e não tive a famosa sobremesa, tomei meu cafezinho normalmente e finalmente às 21 horas eu, depois de 20 anos, pude comemorar minhas primeiras 24 horas sem fumar. Eu estava livre da prisão.

No dia seguinte foi muito mais fácil. Motivado pelo fato de não ter fumado no dia anterior, um domingo, eu não fumei na segunda. E assim foi na terça, na quarta, na quinta, até que completei minha primeira semana sem fumar, livre do cigarro. Eu estava livre da situação de escravo do cigarro.

Eu fumei durante 20 anos e jamais conseguiria parar sozinho, por isso pedi a ajuda de Deus. E isso tudo aconteceu para honra e glória do nosso SENHOR, Jesus. Ele me libertou do vício do cigarro em uma noite.

 

Eduardo Marinho

Topo