4° Congresso Mulheres no Espelho - Aline Ribeiro

4° Congresso Mulheres no Espelho - Aline Ribeiro

Eu preciso colocar em palavras o que senti no último dia 17 de maio de 2013, no 4° Congresso Mulheres no Espelho, mas, preciso relatar como era minha visão de adoradora, baseada em Romanos 12.1: “Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional”.

Por culto racional, entendia eu como uma adoração a Deus da forma mais centrada, sem sobressaltos e sem muitas demonstrações emocionais, se saísse disso, eu já considerava bagunça.

Pobres olhos carnais os meus...

No dia 17 de maio de 2013, finalmente, as escamas caíram dos meus olhos e o que antes eu via como num espelho embaçado, finalmente eu vi face a face (I Cor. 13. 12).

Tudo começou quando, finalmente, João 4.23,24 fez sentido pra mim:

“Mas vem a hora e já chegou, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque são estes que o Pai procura para seus adoradores. Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e verdade”.

Deus procura quem quer se relacionar com ele, ter intimidade, falar com Ele como Moisés falava, tendo tanto prazer de estar na presença dEle, ao ponto de implorar, não se mover, se o Senhor não for junto.

E foi isso que eu pedi com todas as minhas forças, com todo meu entendimento e com todo o meu espírito: 

"Senhor, revele-se a mim, venha estar bem perto de mim, quero sentir o poder do Teu amor a ponto de não conseguir ficar em pé, pois Sua glória é tão maravilhosa que só me resta prostrar-me aos Teus pés, em total atitude de humilhação, pois sei que nada sou, mas o Teu amor incondicional faz de mim Sua filha amada".

 Eu clamei como nunca havia clamado antes, eu queria a Presença de Deus viva, ali, não queria encenar uma adoração, eu queria A Verdade sem me importar com as pessoas à minha volta.

 Deus ouviu o meu clamor e, enfim, após 30 anos de existência, eu senti Sua Santíssima Presença como nunca havia sentido antes, era algo quase palpável!

E foi tão bom, me senti nos braços de Jesus e, como uma criança, chorei em agradecimento, chorei lágrimas de felicidade, senti um calor comparado ao do colo da minha mãe, senti que ali eu estava segura e a única certeza que eu tive, a partir daquele instante, é que NUNCA MAIS eu quero estar longe dEle e do que experimentei na noite do dia 17 de maio de 2013 e continuo sentindo sempre que O busco.

Se a antiga Aline visse aquela nova Aline ali prostrada no altar chorando copiosamente, certamente ela diria: " Para que tanta emoção e descontrole? Deus não quer isso de nós". 

Adeus, antiga Aline, você não faz ideia de que aquela ali prostrada está no seu momento mais racional de culto, pois ela está ali adorando em espírito e em verdade, mais consciente do que nunca de seus pecados, de sua fragilidade e de que, sem o amor e a misericórdia de Cristo, e sem a doce presença do Espírito Santo, ela é apenas uma casca vazia.

 Nota: o que relatei acima é uma experiência muito pessoal, o Espírito Santo age de maneira individual na vida de cada um, pois assim como Ele, somos singulares.

 

Aline Ribeiro

Topo